Powered By Blogger

Páginas

curvas, retas e esquinas

domingo, 26 de setembro de 2021

Refúgio © Copyright

 

                                                                              


Ah, se tiro das nuvens tempestades. Se trovões são minhas expressões de gritos. Se as águas
são o meu derramar de verdades ou inverdades: diluo-me com prazer, entre as ruas e os guetos, os meus conflitos. Dançando, sou eu, a banhar minha pele nos vários encontros com os pingos. A chuva que molha é a mesma que lava, a mesma companheira, na dança que minha alma abraça e se eleva. A alegria vem de manhã. O sol, o lençol brilhante me estende. As notícias procuram saber onde estou. A chegada dos fatos, na minha noção, não me surpreende. O que acontece nas ruas e becos, o que se revela, entre o abrir e o aperto. O que não está: por entre as frestas se espia, onde a verdade, na realidade se esconde. Os pés que tateiam o chão, são os mesmos que o entende. Os rostos, molhados ou não, são máscaras do que subentende. Ao tentar descobrir a noção: a razão é a emoção que me esconde. Vidas derramadas nos divãs são enxurradas, ou levezas de águas no chão. A tarde? A tarde, é parte do tempo, para saber onde estou. Antes de cada manhã, a noite preparou-me um varal, sob o sol, a secar o que de tarde  molhou ou, o que de mim: pingos, que não se derramaram em vão. 
Betonicou
 
Arte: Riccardo
 Guasco