Páginas

curvas, retas e esquinas

domingo, 20 de janeiro de 2019

Samba ,suor e canela © Copyright

Lá da janela pode-se ver chovendo, torrentes de pingos d’água. Pode-se ver, a maravilha desencadeada e quando batem no chão viram flor. Pode-se ver, as pernas da menina enlameadas e no rosto um sorriso emanando todo frescor. Sua saia desfigurada, toda colorida rodopiava, em uma dança de chuva que à alma toda lavava. Trazia no corpo, as ondas que tudo sambava e o tempo todo, tudo à sua volta de alegria pulava.  Os pingos formavam as enxurradas e seu corpo moreno tinham as mechas descabeladas que serpenteavam, todas molhadas. Morena do campo, desabrochando, feito flor. Pela janela sinto o vento! Vi correndo, a mulata assanhada e seus quadris de sambar rebolavam trazendo ao meu peito, um bater de tambor. E a inocência desequilibrada ofegava, de tanto que saltitava o meu peito que precisava se conter, de tanto ansiar o corpo molhado, e o seu acanelado odor.  Querendo sambar, suas saias abriram-se num descortinar de cortinas deixando à mostra, todo aquele céu das meninas. Milhões de orvalhos chamando sem parar! De tanto que meus olhos olharam essa maravilha vejo, a pura Inocência quase tímida, a brilhar! E da janela vou vivendo aquarelas de visões.   Ela vem toda suada, toda misturada com aquela chuva trazendo, um sambar dos furacões. Saio lá fora e vou correndo, para abraçar a deusa molhada, com suas saias desfiguradas. Que coisa linda essa rainha das sensações! Agora sem timidez, toda assanhada rodopiava e me abraçando desarmava, meus já descasados botões.
 By betonicou 
Arte: R.Paschoal