Páginas

curvas, retas e esquinas

quarta-feira, 20 de junho de 2018

Lençóis © Copyright



Então são, todas as mulheres rosas perfumadas, lírios, ou flores de jasmins. Também são paixões loucas dos fogos ocasionados, ou são os ramos amorosos que crescem em todos os jardins. São sonhos de valsas e musas; inspiradoras dos meus afins. São também tudo o que sou. É a mãe e outras mulheres, de todos os beijos carmesins. 

São todos os sentidos que fazem os vícios, de todos os costumes em mim. Acaso são versos tolos e os brincados amorosos  por debaixo dos lençóis de cetim. E vagueio no vicio desse meu cio sobre a tua luz  e tu,  aveludada beleza de flor me cobres de um verso sem fim  e toda assim me seduz. São todos meus sentidos, os juízos que me fazem assim.

Ser teu passeio é vicio, igual aos teus caminhos que teimo sempre ir. São as manhãs tão boas, após as noitadas atoas, que deixamos sem poder sentir.  Aquele sono de precipício, onde caímos ruindo, sem poder fluir. Parece que somos objetos sem cor, mas ai de mim se teus lábios não viessem em paz; no pesadelo tolo, não vier me acudir.

Se tu passeias eu grito e aquele meu gemido é também o juiz. E tu fogosa é formosura de flor e sou jardineiro, ou o poeta quem diz. Se ali tu estiveres, entre todas as mulheres, o que faço de mim?! Eu lhe darei mil rosas de amor, e do meu cheiro, o adocicado de anis. Se me esquecer eu grito que estou aqui e que perto, é que sou tão feliz. 
  

by betonicou

Arte: Gustav Klimt