Páginas

curvas, retas e esquinas

domingo, 3 de dezembro de 2017

Asas divagantes.© Copyright

As asas leves que aplumam as minhas emoções me levam ao ninho, acima daquela serra. Cortam o espaço deste mundo, e fazem -me dar   adeus àquela terra. Não são causas: as folhas passageiras que despencam em todo canto, e nem são as feridas dos espinhos de laranjeiras, nem são as pontiagudas agulhas das roseiras que ferem a quem delas cuidam, sempre em felizes cantos.

As asas que aplumam minhas ideias tão sonhadas, são as canções das lavadeiras das encardidas roupas das crianças brincadas, ou são as lagrimas das carpideiras que emprestam o seu choro, de águas, para as faces secas e caladas.  São as canções dos violeiros que fazem saltitar dançante, e são a leveza dos balões.  É vento que carrega emudecido, ou misturado aos gritantes trovões.

Minhas asas são ideias aplumadas, ou emplumadas, de reais fantasias divagadas nos sonhos ligeiros, feito flores que são estrelas, destes singelos canteiros. É fumaça que se mistura, e brisa das infantis noites embaladas. É cometa vagante da criança adormecida, em seu próprio ninho.... É nave dos horizontes que visita quem está sempre sonhando, em leves delírios de passarinho

Meus ventos são frios ou quentes, ensolarados ou brisas enluaradas, deste meu mundo todo sonhante. É a voz que grita nas trincheiras desta guerra de inocência versus culpabilidade, a todo instante.  É o vento anjo que voa ligeiro pelas aéreas estradas, dos belos sonhos guardados. É nau do viajante, ou passarinho que pousa nas macias nuvens dos céus, simplesmente sonhados.
by betonicou  Arte:Marina Czajkowska -




sexta-feira, 24 de novembro de 2017

voar com beija flor.© Copyright

Venha a mim beija flor que encanta, e sorve a doçura de jasmim. Traz no bico o mel de amor, e acorda a doce ternura em mim. Traz em teu plainar suave a leve canção de embalar. Desperta o meu olhar mais belo, e desta fantasia, não querer mais acordar. Quero olhar pelas frestas o desabrochar da linda flor de marcela, mas quero abrir de todo a janela, para alçar voo em asas cristalinas de libélula.

Tu encantas-me, com tuas lindas cores emplumadas.... Plaino neste meu mundo, onde faz do vento tua estrada. Este meu universo de sonhar, e este elevado, e ávido desejo de voar. Estar por entre as árvores, neste teu espaço, o sereno eu revoar. Brincar por entre as folhas e flores, neste breve momento de sonhar...

Tu embalas este meu delírio de voejar, e não ouço teu canto, nem vejo teu breve instante de voltar. Não iluda meus olhos! Quero ver todos os teus atos de pairar, neste brilhar de primavera, na poesia de tuas cores vivas de aquarela. Quero o mel que sorve neste teu prazer de levitar.... Quero a doçura de um beijo, e deste sonho, já não desejo mais acordar.

Quero voar em teus jardins, onde fez das flores a tua morada!  Tu realças a linda manhã com tuas majestosas asas de poesia emplumada. De tuas pequenas pupilas queria eu ver, o tamanho de tanta beleza! Plainar neste teu lindo verso, esta tua cândida, e esvoaçada grandeza.... Quero ver de teus olhos a clareza das harmonias singelas. Sentir de teu bico o sabor,  dos delicados buques de marcelas. Não acordar deste mágico instante de florida primavera.... Voar em tuas asas de sonhos  todas as manhãs! Quem me dera, quem me dera!
 By betonicou

domingo, 29 de outubro de 2017

Mistérios © Copyright

Sobre teus cabelos me anelo, sem medo, ou receios. Sobre tudo descubro se te quero, quando vais ao meu encontro sem rodeios.... se te cercam mistérios, o que vejo em tua alma, que não sejam só gracejos? Teu sorriso meigo, talvez o meu maior desejo; esse me atrai. Vou ao teu encontro, em meus limites anseios. Vejo uma áurea esplendente!  Quero esvaecer-me, em teus misteriosos devaneios. Quero fugir de ti, e ao mesmo tempo, me achego. Quero-te! Do teu horizonte sou ausente; por que,  medo? Escondo-me, bem longe do teu sol que e’ exagerada face reluzente, e ao longe vejo-te, e teu brilho me deslumbra. Tal beleza no semblante guarda em ti o que tens, e ainda revela mistérios. Quero entender todos os enigmas de teus conceitos.... Mergulho em meus sonhos sufocados por este ar rarefeito deste teu cheiro embriagante.... Tua alma se mescla aos meus sonhos, e aflora todos os meus desejos que são belos por ti, e singelos. Vejo-te refletida em meus óticos espelhos! Teus segredos espelhados em meus anseios... teus anelos invadem-me aguçando minha sede, de querer-te.... Vejo-te e quero-te, e tu desnuda me invades, com teus doces, e deliciosos mistérios...

  
  by betonicou








Arte : Gustav Klimt










domingo, 15 de outubro de 2017

Fluxo © Copyright

Meu sangue é fonte de emoção, e se ferve brota lá na terra. Gira nesse meu mundo, e irriga meus olhos na longa espera. Se esfria é morte. Sempre quente é vida que impera. Todo esse vermelho é a cor que tinge as flores rubras, de toda a paixão que se desespera. Meu sangue é a estrada de todos os meus desejos.... Nesse meu sangue segue uma oração, e segue o fluxo....  Espalha em ritmar de despejos; irriga a fala. É a pauta da minha canção, é um rio que escalda a fera, e muda a estação. Meu liquido, são águas presas, ou soltas, entre toda leve, ou pesada sensação.... Meu sangue é fogo que incendeia, e fogueira quente, de minha forte emoção.... É a voz que anuncia a paz das minhas fronteiras, e solta as amarras abrandando a comoção.  Irrigando vai pulsando a paz de tudo, ou   a guerra...  Meu sangue, é fera banhada pela lua cheia.... É calor    do fogo desta terra. É rio que no meu eu, todo serpenteia. Meu sangue é a vida da canção, de todas as minhas caminhadas.... É a linha que sinaliza a velocidade de todas as minhas retas, ou curvas estradas. Meu sangue é a sorte, que por dentro tanto rodeia.... Meu rio é vida que se ergue, é fonte que emerge certo, por todas as minhas encruzilhadas, é vinho que me deita nas internas, ou externas calçadas.... Se solto e´ devoção, se sentimentos tortos, é fio de espadas. Muda todo doce, rumo à paz da minha esfera. Se for pureza ou sorte, é como água, é manso nas enxurradas, é como canção nos guetos, é vida que Irriga e faz florir, toda a minha Interna primavera. Meu sangue é mansidão nas enseadas. by betonicou














domingo, 1 de outubro de 2017

Insensata inocência © Copyright


Ontem, foi apenas como passar de um vento. Porém esse rápido ar trouxe tudo do momento: Guerras e fases loucas, de uma juventude no seu tempo. Ontem construiu a solidão que o homem leva, da singela e verdadeira inocência. Ontem forjou lembranças e brotou esperança, na inesperada e desajeitada inconsequência.  De todo o mistério, o ontem fez o seu próprio templo. Fez também das falas e gestos alegres, as cenas   das realidades que contemplo. Fez das ingênuas vozes soltas, o ar sereno dos sinceros e fortes argumentos, e o sol apontava para o horizonte, onde o ontem se encontrava, bem à frente do seu tempo.

Ontem fez recordações nuas para vestir qualquer ausência. Ontem era mistério que se desfez na impaciência, e a simplicidade  daquele vento que levantou as vestes, era o toque silencioso da minha mão. Ontem era todo corpo vestido, da frágil e evolutiva juventude. Ontem era o insensato, no futuro, tão ciente da amplitude. Ontem era as falas tolas, ou inocentes emoções que todas crianças são. Ontem se pavimentou de saudades. Era chuva na terra e seus perfumes. Ontem era as águas, e os temporais das frágeis e passageiras cenas de ciúmes.... As risadas soltas, e movidas pela inocência, era o ontem calando a voz de seus queixumes.
 by betonicou


by betonicou



sexta-feira, 8 de setembro de 2017

Opostos © Copyright





E tudo retornou, quando a noite se foi. O cantar, o falar no voar das manhãs. E tudo voltou quando o frio se foi, no fechar das portas, para quem nem se despediu   com acenos afãs. Há muito sobre a lua que se apaga, sobre as estrelas que se retiram tocando de leve, como orvalho que evapora depois que afaga.  Há esperança no sol que renasce, no pequeno facho de minhas frestas. Ouço pássaros que cantam, como que anunciando em vozes de profetas. E eu aqui, todo encantado abrindo as janelas sinto a brisa, e observo o voar suave das borboletas.


O sol se retira na noite que chega trazendo consigo a lua, e a luz das lanternas para os voantes fascinados. Há sempre um poema com brilho, sobre o astro que descansa, e sobre pássaros cantantes e os noturnos bicos calados. Há sobre a noite, poesia.   Há sob o véu escuro, romance de lua dos amantes exacerbados, e   dos sem tetos descamisados.  E de novo, o sol que desponta traz de seu berço a manhã dos contentes, e a confiança dos taciturnos bicos ausentes. Traz a luz quente sobre a terra, onde germinam as vidas, das toscas e murchas   sementes. by betonicou



sexta-feira, 18 de agosto de 2017

Veneração © Copyright

Prezo aquela flor que de tão formosa achou um jeito de roubar a atenção do meu modo de sentir, e de tudo que faço.  Preso aquele cheiro de liberta castidade, onde todo   ávido cheiro a rosa , e nem me disfarço. Prezo o jardim daquela rosa, pois também quero me embriagar, e me afogar naqueles beijos calando a prosa. Prezo o voar, nos ares da liberdade, e falar sem falsidade. Prezo da Marcela a macies da pele aveludada e da azaleia, a roxa nudez, além da seriedade. Prezo da margarida, o jeito suave e delicado das pétalas brancas, e o sol que a faz estrela de verdade.

Prezo sentir todo aroma adocicado. Prezo o rosto esbranquiçado feito de lírios que me tira daquele silêncio tão calado. São essas, as flores preferidas, joias para esse meu olhar incrustado. São essas, as pétalas brancas ou coloridas da minha primavera São essas, pequenas criaturas presas, a esse meu chão antes encruado. São esses espaços, os oásis das vidas áridas. Prezo as delicadas flores que no chão são borboletas, a pousar nessa terra de areias cálidas. Prezo a flor de néctar de beija flor. Prezo a doçura do orvalho sobre as pétalas delicadas de cada flor, não importando a cor.

by betonicou



segunda-feira, 17 de julho de 2017

Vontades © Copyright

Essa sensação que esconde de vez minha razão. Tenho essa razão que fica sempre na espera. Que situação, e´ esse inverno todo feito de ilusão. Pobre coração que anseia primavera! Que tola situação, só mesmo um louco precisa mesmo é de paixão. Escravo sem noção que sempre deseja: Ah quem me dera!  Ah quem me dera! Ah quem me dera poder ter um desfeche, de um amor de mar para mergulhar.  Junto a esse frio poder de todo me embriagar e me vingar, dessa longa espera de seus beijos.  Me embriagar e me fartar dessa ternura e fazer desse amor, todo uma dança de passos de rua que é para acalmar as noites que passei em claro, sob a luz solitária de meus desejos.

Feito de ilusão e nada do muro sóbrio da razão, esse coração é tão voado nessa esfera. Essa sensação que precede, o da tola   sedução. Este coração, sempre quer o que mais espera.... Quanta imaginação cabe, na frágil força da paixão.  Agora coração, te desejo o que mais quero: Ah quem te dera! Ah quem te dera!  Ter um desfecho de feixe da luz da lua e caminhar de mãos dadas naquela rua.  Seja noite ou dia claro, todos os momentos, são perfeitos para que te inclua. Enrolar de abraços aquela cintura, mesmo que a paixão não esteja nua. Um luar morno, para iluminar essa loucura. Te embriagar de amor, com doses de candura e desvendar de ti o que mais quero.... sobre meus próprios sentimentos do peito.

  By betonicou


quinta-feira, 25 de maio de 2017

Renascimento © Copyright

Derramar tão cedo,  com flores prestes a nascer,  é entregar a vida a um começo.  Espelhar  a vida, com o sol despontando no amanhecer,  e os  amarelos canários e pardos pardais  anunciando, é como uma prece daquela calma e as brisas, são carinhos que tocam toda a alma.  Se derramar tão cedo, é como uma oração ao renascer e enxergar a vida, a cada começo. Ver chegando o sol todo brilhando,  e´ a vida da alma e se for chuva, e´ o mar de cima  acariciando e fazendo, de tudo que tão bem conheço....  E todos esses jeitos, são notas de uma canção e quando chega a noite, tudo se transforma, de novo em oração. E tornar a dormir, como num ventre prestes a renascer, e tornar a ver o recomeço! São as cortinas dessa vida. É singela  cantiga leve e  poesia, tão bem definida.!   Se derramar de novo e acordar o que vem nascer, são as puras mães anunciando, e cada renascer reluz e refrete, como um espelho.  E as manhãs, são canções que proclamam minha vida, tua vida, nossa vida.
By betonicou Arte: Maria Pace-Wynters e Claudia tremblay

quinta-feira, 20 de abril de 2017

Idas e vindas © Copyright

Tudo fica do lado de lá, na despedida. A noite termina e a lua se apaga; é dia! E o coração fica todo   descompassado quando diz: estou chegando!  Lá da janela, eu pude avistar gente que vem do lado de lá, e minha porta toda se abre para quem   quer sair e outra, para quem quer   voltar. E tem gente que vem de todo lugar querendo  trilhar nessa vida, mas não quer ficar; talvez tenha medo. Todos os dias, e´ partir para outro dia.  Tem as noites quando lua brilha, e tem a grande de cor pálida que diz: ainda e´ cedo!  É que vem chegando aquela manhã, naquele ato de voltar, mas pode me dar aquele abraço e antes que o dia chegue, eu quero mesmo é esse apertado espaço do sossego. Tem lá na estação gente saindo, e quem chega de todo lugar. Tem pessoas indo, sem querer ir para lá. Tem gente vindo sem olhar para trás. E lá da janela posso avistar aquele aceno de quem vem chegando, para querer, aqui ficar sem receios. É primavera, e cada folha retorna de sua caída. E tem as flores que desabrocham naquela dança, de dizer: estamos voltando! E é todo esse vai e vem, no retorno das folhas de despedidas.  É sempre tempo das idas e vindas, de uma vida sem segredos.
By betonicou




quinta-feira, 23 de março de 2017

Asas de outono © Copyright



E tudo é,  como um vinho embriagante tomado sem sentir nada. É extremo feito o infinito, mas é vazio de nada. É tudo feito das asas acovardadas, sem poder voar ao sol. É como pés que trilham nas  símplices  e retas estradas. É o passar do tempo nessa estação tão fria de folhas secas e estagnadas. Como uma estrela, num cintilar sem brilho,  ou a água que para sem chegar ao rio.... É essa vida desgovernada. E tudo e´ tão estranho e  tão frio, de esfriar o sol! E as folhas  sempre caem temendo a colheita e aí se despencam numa poesia condenada.  É um voo perfeito, de tirar o folego, até na calmaria desleixada. E essa coisa do desespero, de mergulhar de vez! Mas é poema puro de outono, toda essa chuva avermelhada. Aí aparecem todas as razões que nos roubam as doces ilusões, tão queridas e tão sonhadas. E esse vento que teima em nos puxar para a letargia! Parece um sonho, de até sentir medo dessa calmaria repentina, ou subordinada. E ouço a melodia de amor, ou fúnebre? E ouço a voz tão fria de minha timidez atenuada. Tão fugaz é a covardia e o rubor de minha face, ante uma batida tão descompassada. E aí que bebo o vinho, numa noite escura e também tão fria e enamorada. E tudo que devoro é minha lucidez!  É bebida fria, igual aos abraços frios que ganhei e todos os sentidos do “talvez”.     By betonicou

terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Reconstrução © Copyright

Não me ouvirão, pois estou dentro do meu silêncio... mas quero que saibam!  Fui até os vales colher flores e os espinhos me abraçaram. O vento murmurou em meus ouvidos a música que ali mesmo embalou meu sono, e meus olhos, se fecharam para verem dentro de mim mesmo, o que havia além dos olhares físicos...as flores abraçaram minha nudez, enquanto as águas as regavam para fazerem brotarem sob minha pele as suas raízes... O sol brilhava majestoso em minhas retinas, enquanto minhas luas negras fitavam no espelho das águas, a nudez que as flores cobriam. Era um jardim que crescia, e as pétalas coloridas sobre meu corpo seriam as mesmas que enfeitariam a lapide que um dia o guardaria, como lembrança póstuma desse meu mundo...as trepadeiras aproveitavam os caminhos vagos, e se faziam crescer tornando o meu muro  de pedra, um tapete de folhas de esperanças... e os pássaros faziam seus ninhos dos espinhos deixando apenas as flores que também protegiam-me  do meu próprio frio... Não quero que me ouçam , mas apenas fui ao vale colher minha próprias flores do silencio e minha alma abraçou aquele  mundo, enquanto as águas lavavam o grito que teimava em ecoar em  minhas montanhas... E o mundo, não ouviu o meu pisar sobre os gravetos secos, e enquanto meus espinhos serviam de casa para o descansar das asas brancas de pequenos anjos,  eu sonhava a minha história, no silêncio de minha alma. By betonicou

sábado, 11 de fevereiro de 2017

Sensibilidade © Copyright


Paz! Sempre quero mais! Nesse novo passo que se deu na criação, são sol, lua  e estrelas que refletem nesse céu de todos nós!  São as nuvens que se desaguam em forte turbilhão. Paciência e sorrisos que voam leves são poesias de balão. Sentimentos? Sempre verdadeiros! Sonhos? São repletos! Todos os com os nossos ideais! Terra santa? São onde as asas pedem um espaço para pousar. Passarinhos dividindo todo o ar da emoção. É a paz, que sempre acena as asas brancas da mansidão. E qualquer coisa que nesse ar cheira, é aroma que faz sonhar. São as coisas pequeninas, os grandes jeitos de falar! São grandes esses gestos, e são espaços da imensidão .... Um cometa, ou um pássaro indo, ou asas de avião. Sempre voa sonhadora a alma e as vezes, quer mesmo e´ a sensação de levitar .... Canta a canção de paz da consciência! Canta em coro, tudo que se tem de amar. Canta aquele pássaro revoando, até o ninho de repousar, onde aguarda os gorjeios de infância e ainda, há um canto reservado, para descansar de revoar. Voa a alma, nos espaços das visões    comoventes! Voeja em pensamentos, onde divaga nesse ar. Descansa naquele ninho, onde a vida e’ segura... naquele pequenino espaço de descansar. Há! — Eu quero sempre mais das ideias conscientes.... Quero o lugar, onde a alma e o coração possam juntos, até brincar de sonhar.  Quero a paz proclamada, dos pequeninos cantos inocentes. Quero as asas pequeninas que rasgam os ventos das delicadas brisas, desse leve e sensível   ar. A semente da paciência plantada, nas secas e áridas faces dos descontentes.... Pois o que queremos mesmo, e ´de olhos abertos sonhar de brincar de voar.

sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

Fragilidade © Copyright

Abra os olhos e atente, para as coisas tão delicadas. O sol se desponta e ao redor, as nuvens dançam nas manhãs, tão de repente. Feche os olhos e sinta as brisas na pele áspera ou aveludada. Atente para as razões e as canções que falam tudo, onde o coração, pode ser indiferente …Tudo e´ lindo! Todos os dias são pedaços da vida. Seja sol, ou nuvens no derramar de todas as águas. A vida, é sobre o amor e não sobre os medos da gente. Veja o beija flor, ao lidar com as pétalas tão delicadas! Assim e´ todo amor...são canções, ou dilúvios. São o diz tudo, ou diz nada. São explosões, ou suaves vozes caladas.... Preste toda atenção e veja com seus olhos, o pássaro que sorve da flor tão gentilmente, e a folha que cai e traz a poesia frágil e inocente. Às vezes, eu também reconheço que fecho os olhos por medo e faço das cenas lindas, as paisagens   tão desprezadas.... E as vezes, não escuto canções, por medo de sentir tudo, ou não sentir todo apreço das palavras. E tudo, tem a ver, de como vemos tão desigual.... Sorrisos? Às vezes acalma a dor, mas não cura o medo das promessas...às vezes, a saudade se instala e vira ponte, para as ilusões sonhadas na realidade..., mas uma palavra amor cura a morte, das esquecidas emoções adormecidas, e do barulho das noites mal dormidas e dos despertados dias, tão mal divagados.
By betonicou