Páginas

curvas, retas e esquinas

quinta-feira, 25 de junho de 2015

Iguais © Copyright

Tem certa gente que nasce, em berço tão contente.  Tem certa
gente que não sabe onde ficar... Tem gente na varanda vendo o
sol, lá no poente e tem a gente que não sabe onde pousar...
Tem as pessoas que tem o riso tão de repente e tem a gente
 Que tem que rir pra não chorar... Uma esquina, pra escolher o
tão frequente... E muita gente que se perde pra se encontrar.
Tem gente que acena pra quem volta distante... E tem os acenos
que o coração faz apertar... Uma saudade, apenas uma nos consome...
Ai querer, uma canção pra recordar. Tem as pessoas que parecem
ser,  de um mundo tão distante... E sempre tem alguém que nunca
Pertence há nenhum lugar. O sonhador que voa nos pensamentos
Divagantes... E a realidade que sabe, onde o coração descansa e
  onde o peito pode repousar... E vontades, é o que tenho de tão
latente... Uma esperança que águas turvas, não possam ofuscar,
 uma aquarela, de cores lindas e marcantes e  todas as cores do
 mundo e ninguém cinza para apagar. Uma canção que toque
o surdo e esse sorrir pra gente, uma poesia que o mudo declame
e nos ensine o que falar... Uma nova versão, de o eu homem nascer tão
Gentilmente... Ao vir ao mundo sorrir e não chorar. E toda gente saber
que somos,  uma só aquarela deste mundo de cores tão vibrantes!
Somos uma só gente, com a mesma vontade de  viver  e  de sonhar.
By betonicou

segunda-feira, 22 de junho de 2015

Emoções © Copyright

Coração se disser, nunca digas adeus... Faça então
Uma prosa, uma poesia sem voltas, com versos teus...
Beijos são frutas envenenadas, com gosto de amor... É poesia
 Molhada, pelo resto das chuvas de um devaneio sedutor.
Seja eloquente ou tímido, talvez... Mas não faça nada que 
Desencante a doçura orquestrada, pelos sentimentos da vez...

Mas peço cuidado, nunca faça por mim... Nunca faças 
O vazio ser a minha retirada das paixões mal concebidas;
Não quero assim!  Desconheça qualquer terreno vazio, sem 
Flor, sem pudor... Desconheça as ruas descaradas... Declaradas
De vício e despudor... Seja de amor à fluidez! Sejam emoções
Claras... Espero de ti ao menos a lucidez .

Não, não te esqueças! Nunca chores por mim! Não quero
 Rosas, e nenhuma flor, pois espinho vem junto com 
Cenas de amor. Se virtude ou vicio, foi desde o inicio, que 
Fostes assim... Quero a razão que faz de todos os cuidados,
Versos bem fraseados, de juras sem fim... Que vejam minha nitidez... 
Em disfarçar meus conflitos, na presença de toda fugaz timidez... 

Coração desconheça todas as cenas, todos os gestos vazios. 
 Que desconheçam de mim, os sentimentos vadios... Se ternura 
Ou fases de cio... Que seja de minha razão a ultima palavra...
A afastar-me do delírio... Mas peço, por favor! Que viva talvez...
Mas nem sempre sem pudor... Seja a paixão repousada na razão...
Às vezes, a minha gelidez... Quero pulsar sereno essa vida... 
 E  sempre amar calmo outra vez...

By betonicou                                ilustrações de  Albena vatcheva