Páginas

curvas, retas e esquinas

terça-feira, 26 de agosto de 2014

percepção .© Copyright






Sempre digo um não, se e’ para o presente ou se e’ para o sempre...
Se e’ para mim mesmo, para os de perto, ou para os ausentes.
Sempre o descanso não vem; sempre à espera de alguém.
Se e’ para esquecer, ou reviver, quase sempre há nuvens nos céus.
E o sol se esconde por entre as brumas; oculto esta meu Avalon!
E as maçãs são doces, e as uvas são como beijos macios na videira...
Mas o calor se esconde por detrás das densas nevoas; escuras estão
As inspirações... E as maçãs estão insipidas, e os beijos amargos...
Mas são tudo passagens de um barco sobre o rio dos pesadelos...
E a canção vem sossegar num facho de farol sobre as águas turvas.
A inspiração vem trafegar, e o Avalon revela-se, por entre as passagens.
Límpidas do ar... E sempre digo um sim, sempre digo um viver...
 Sempre o sol se faz presente de novo, para guiar ao paraíso por detrás
Das nuvens opacas... Os caminhos são tortos, e os abismos nos convidam.
Para um mergulho sem fim; As montanhas revelam-se muralhas de
Guerra... E as asas fracas, se quebram num voo por entre ventos Insanos...  
 E são desatinos, como passos que  cambaleiam flutuantes  no ar vazio...
Sempre digo um sim, se e’ para avançar ou então retroceder... Se e’ para
Levitar, ou pesar as medidas que valem um sonho... E a inspiração vem
Para imaginar!  Sempre abaixo do sol brotam nuvens de chuva... E as
Chuvas quebram o silencio das ruas... E sempre há o sim para as verdades...
Ainda que essa se encontre escondida... E as mentiras, são como um
Não ás gotas de orvalho que umedecem com frescor todos os jardins.
Sinto as manhãs se despedindo das madrugadas... Sinto a madrugada
 Escondendo-se acabrunhada, diante do sol que amanhece... E as canções
Vem, quando a lua desponta brilhante; transpassando com raios de
Prata  a atmosfera que guarda toda a vida. Sinto que são noites e dias
Tranquilos, e na luz me abrigo nas sombras... E as canções anunciam
Um novo caminho, uma nova estrada de infinitos limites... Sempre
Digo um não, ou um sim, numa sinfonia de acordos entre os acordes...
São as horas os minutos, os segundos, onde nesse tempo a vida se revela...
E erguem se as asas brancas... Pois as negras querem descansar as armas.

De guerra... Paz ! By betonicou

2 comentários:

people of the world comment if to like… important for the development of this work…