Páginas

curvas, retas e esquinas

sexta-feira, 29 de março de 2013

Olhar alem do sol ...© Copyright


Ainda cheiramos a flor, ainda que esta murchasse...
Ainda acalmamos a dor da ferida, antes mesmo que
Esta sarasse... Ainda cantamos, mesmo que sufoquemos
Nas emoções dos versos... Ainda vemos amor nos
Corações, às vezes, puramente adversos...
Ainda sentimos o calor que a saudade acordou
Ainda ouvimos a canção, que o amor sempre cantou...
Ainda recordamos... Ainda este mundo encanta!
Ainda sonhamos ao leve balanço do compasso da idéia
De esperança... Neste refletir sobre o que sentir...
Neste caminhar passo a passo, do gostar... Ainda
Resta o momento de brincar de sonhar... Neste
Escrever a vida no papel em branco; Manchamos as
Pagina alvas , com escuros respingar de prantos... 
Ansiamos o sentido, lançamo-nos no vazio vácuo...
Arrastamo-nos, trilhamos num escrever suave, ou
Num rastro trabalho árduo... Ainda que o sol se esconda
Por momentos...  Podemos vislumbrar seus raios no
Firmamento... Mesmo que por breve instante de luz
Dourada... Faz-nos um carinho, da alento... num
Instante, vem-nos a paz que desabrocha, numa canção de
Alvorada... Ainda, que a noite chegue, aos pés da lua, a
Serenidade medita... Ainda vislumbramos a luz, a cada alvorecer...
Dos pássaros, ouvimos o gorjeio que anuncia um novo renascer...
Neste breve instante de meditar. . Neste breve momento
Cego de tatear. Percorremos com nossos dedos, à leitura da
Vida... Num saudoso momento de recordar...  Ainda que cego
Ocular... Ainda que o coração teime em pesar, e endurecer a alma...
A esperança nos faz no dia, a dia, o refugio que fortalece e
Acalma... Ainda que os revezes, abaixe os tons da canção,
Num bemol de aflição... A vida sempre alcança um ato
Sustenido na oração... Ainda que restem pedras pelos
Caminho alça o vôo, as asas dos sonhos... Ainda que fugaz...
Faz-nos sempre pousar no doce, e terno aconchego... Ainda,
São asas de encontro com a paz...
Bybetonicou

Amor de lobo ...© Copyright



Sorri os prantos meus, numa alegria bem diferente
Revi conceitos teus, nos meus agora  estou  descrente.
Mergulho neste amor, no meu peito tão incrustado...
Procuro uma ponte que nos leve, ao encontro já desde
Muito tempo marcado. A travessia deste amor, balança  
Como corda bamba, ao sabor dos ventos... Os ventos e  
Seus sinos anunciam...  São sons que batem no peito!  
Numa alegria de concertos... Pulsam ardentes, esses
Desejos que do intimo, afloram... Batem á porta, e querem
Adentrar os sentimentos, que aos poucos nos devoram...
Pulsa forte a paixão ardente... Este teor no âmago, tão
Vagabundo... Trilham nesses caminhos, os anseios mórbidos,
Infecundos... Entornam seus venenos, os repteis que nos  
Rodeiam de desejos insanos... Acalmo na brisa do teu sorriso,
Que acalma estes enganos... O coração retoma o ritmo,
 Deixando de lado, o terror da paixão que deprime e
Enlouquece... E o espírito leve...  Bate à minha porta...
Mostrando as Chaves do singelo... O coração de novo
Engrandece... Já não mais cruel, não sofrer desta paixão,  
Que fere de calor, e frio inverno... Ansiar o amor que perdure
Ate o extremo do eterno... Sorriu meus desejos, agora tão
Acanhados... Sorriu um beijo teu... Somos agora, corpo, e alma
Lavados... Pois tudo , são momentos ...  Como águas que percorrem
Feito lobos desvairados... A desaguar na mansidão de um lago
Calmo, de sentimentos puros, de destinos entrelaçados...  Bybetonicou