Páginas

curvas, retas e esquinas

domingo, 14 de julho de 2013

Vitrine ...© Copyright

Contemplo os corações dilacerados, e as águas  estagnadas da alma.
Vejo os mundos embaçados de uma vida sem o ar da calma...
Choro as tristezas da amargura alheia... Fito os olhos vazios,
Nos semblantes que o choro rodeia...

Uma flor que murcha, ao fedido cheiro de latrinas.
Um luar sem poesia, um negro sol de tortuosas esquinas...
Há caminhos que levam aos abismos profundos...
Choro pelas lagrimas escuras, de uns vivos mortos; moribundos.

Os tons da linda melodia ferem os ouvidos surdos, como chiados.
cruciantes... A explosão dos sentidos, agora são torturas incessantes...
Os olhares que saltam de embaçadas retinas... sofrem na visão
Sem alma, sem cor, das opacas rotinas...

Contemplo as almas que vagueiam sem rumo, sem causa, sem vida...
Uma sombra negra, e esfumaçada de vidas esquecidas... Acinzentaram  as flores ,
Antes belas, e coloridas... Agora, tateiam as tênues paredes desgastadas.
E esmorecidas... O anseio de querer encontrar, os rumos certos das saídas...

As mãos que procuram no escuro  tateiam nas névoas turvas...
Os pés descalços que procuram as linhas retas nas curvas...
Os lábios que proferem a oração, afim  de poder transcender...
Os olhos que descortinam os símplices mistérios de poder ver...

Contemplo as almas redimidas ...
Bybetonicou

Um comentário:

  1. lindo demais, meu amigo... poucos tem a sensibilidade de sentir a dor e o pesar dos outros... Marvilhoso!

    ResponderExcluir

people of the world comment if to like… important for the development of this work…