Páginas

curvas, retas e esquinas

quarta-feira, 25 de julho de 2012

Reflexos...© Copyright



Escondo-me das tristezas na guarida...
Escondo-me nesta carne sempre viva...
Refresco-me em teus beijos de menina...
Afogo em teus braços as magoa ainda vivas...
Destroço os medos, apego aos teus apegos...
Verei de novo através desta neblina... Teus
Segredos... Vejo em teus olhos, o reflexo dos
Medos...

Sopro aos beijos, para poder suavizar a ferida.
Faço do teu meigo, e singelo jeito, o meu jeito
De vida... Afogo teus receios, nos meus anseios...
Venço teus medos, para te causar segredos...
Realço teus desejos, e te causo anseios...
Quero de novo, enlaçar teus brinquedos...
Sou criança, viro homem, nos teus anseios
De desejos...

Me solto aos ventos, afago teus longos cabelos...
Desarranjo, este teu jeito certo de amar...
Quero eu, atirar teu sossego aos ventos...
Desarranjar teus cabelos, de tanto querer afagar...
Poder sentir de novo, o sopro alegre da esperança...
Você mulher, eu criança, sou sol, você luar.
Nesse instante, sou furacão... Você e’ brisa leve
De soprar... Escondo-me das tristezas em teus seios...
Envolver-me, sem ter receios de afogar...
Ainda de novo, neste amor poder  brincar de borbulhar...By betonicou

terça-feira, 24 de julho de 2012

Momentos de estações.© Copyright


Onde há sol, há luz, há sombras, e vento.
Quando se fere, chora-se de dor... Mas o sorriso
Vem como um sopro de alento.
Esta leve vento, que conforta como toques de
brisas... Chega à ferida da pele, com frescor   
E sensações de ternas  caricias...

Onde correm os rios, ali se espera matar a
Fome... Foge- se do calor que incendeiam as
Matas, e serras... Onde o fogo tudo consome...
Alegrias geram inveja, que causam grandes
Dores ...  Esses seres de tristeza, que esquecem  
Da singeleza forte dos amores...

Onde anoitece, nascem também as belas manhãs
Os delírios se curam nos confortáveis, e macios divãs...
Quando a seca maltrata a terra, esperam-se bênçãos
De chuva... Uma gota de alegria...
Nas memórias, há sempre pensamentos de
 Que nos trazem nostalgia... Onde há esperança   
 De nova vida, plantam-se as fecundas romãs...
Doce , e trágica  ilusão, foi morder a delicia
Das maçãs...

Onde nasce o ódio, ainda pode brotar os frutos
Do amor...
Essa singela ternura, que faz a vida ser doce,
E ser leve, com suave sabor...
Na solidão moram as terríveis, e desesperadas
Angustias... Para uma nova vida, temos que trilhar
O caminho forte das lutas...

Florescem nos jardins de primavera... No verão
Cada instante pede a brisa... Anseiam-se os frios ares,
Que refrescam os calores, que minam a lida da vida...
Enrubesce o verde, na vergonha poética de outono...
Caem-se as flores, na gélida vinda do
Abandono... Este inverno, que anseia o calor da
Providencia... Queima as folhas, com seu frio cruel de
Decadência... Cada instante, cada estação, rege a luta 
Pela preciosa Sobrevivência. By betonicou