Páginas

curvas, retas e esquinas

sábado, 9 de junho de 2012

Razões...© Copyright



Trago no peito uma flor de lapela, uma gravata
Sem nó, um enfeite, um cristal e  uma perola.
Trago um cravo, uma rosa escondida, um
Perfume e um espinho vivo na ferida...
No coração  a batida, um olhar pela janela...
Uma breve oração, uma fé de capela...

Trago no peito as marcas de amor... Mas
Trago a felicidade contida, sem causa de dor.
Trago junto ao corpo, uma sombra que me
 Segue... Trago uma sombra e uma sina que
me Persegue... Uma luz, uma vontade singela.
Uma chama e  um ardor, de pingo de cera de vela...

Trago os contrastes que nos regem a vida inteira
O suor da vida corrida, o sossego de vida solteira.
O calor do verão que pede o frio de inverno...
O frio que pede aconchego materno.
O suor e o calafrio dos tempos modernos...
Trago o choro, mas esboço sorrisos sempre singelos...

Trago no peito, sentimentos plenos e  reinantes...
Trago na vida o calor,  das paixões livres, leves e
Pulsantes... Trago a sede de aprender, o de querer
Saber... Busco nesta fonte o direito, desta água beber...
Vivo a distante e neutra vontade de morrer...
Trago no peito, a louca e serena vontade de viver...
 Bybetonicou

quarta-feira, 6 de junho de 2012

Orvalho e jardins ...© Copyright


Serenou numa noite fria... Teu calor voltou.
Teus olhos de lua, com ternura olhou... Teu
Corpo molhado de sereno esfregou-me...
Tua flor vermelha rubra sossegou- me...
Teu sorriso alegre desafogou-me da tristeza.

Serenou sobre mim, teus olhos de deusa...
Voando alem das tempestades, que surram o
Viço... Sobre mim, pousa teus cabelos negros...
Afogando-me em teu cheiro de doce feitiço.
Sobre a pele crua, nos derretemos nos segredos...

Serenou numa manhã, nos jardins de nossa
Infância... Onde dançamos nossa doce ciranda,
Desfazendo-nos de nossos inocentes medos...
Nessa brincadeira de roda, nos desmanchando
Em beijos... Serenaram em nossas cabeças, respingos
De amor... Nosso pequeno espaço de brinquedos...

Serenou sobre as pétalas brancas, o sereno rubro
De desejos... Respingou sobre as flores murchas,
Nossos anseios ávidos de odor... Reacendeu sobre
Elas, o fecundo farto de repentinos lampejos...
Fecundaram-se no jardim, novos rebentos de flor..

Orvalhou na sequidão, no deserto de nossos
Negros medos... Neste momento de orvalhos
Serenos... Faremos deste curto espaço de ensejos,
Versos claros de amor, sem anseios...
E no vazio murcho, das folhas de outono... Orvalhou

Respingos de cor... Serenou em nossos secos segredos... Bybetonicou

terça-feira, 5 de junho de 2012

Voz de Musa.© Copyright



Ouvir-te?! Ouvir de ti, versos risonhos... Sentir teus
Abraços largos Envolver-me nas tenazes de teus sonhos...
Os teus versos gentis, dados à poesia perene... Convertem
Em clareza, fazem da vida, um breve momento solene...
Tua fonte de versos, que vertem em águas tranqüilas...
Banham-me, em tuas vertentes cristalinas... Sagrado colírio,
Para minhas abençoadas, e claras retinas... Neste tablado, que e’ a vida...
O palco, e das artes, a galeria... Dançamos, e alegramos                                                                                   
Os passos confusos do caos, das fervidas vias das periferias...

Ouvir-te, o que balbucia em meus ouvidos, numa clareza
Às vezes ofuscada... Sentir no coração, as palavras benditas
Pronunciadas... Antes mesmo, de tua boca profetiza-las...
 Sobre os versos que fazem moradia... No alvo papel, que
Sempre espera os sentimentos escritos... Fazem-se gotas de
Esperança, e consolo... São pontos de cores, que preenchem
Os espaços dos sentimentos opacos, e vazios...

Ouvir-te sem relutar!Os teus pontos que findam cada
Noção de pensamentos... Também ouvir-te em vírgulas,
Que separam emoções, a clareza, e às vezes, das ofuscadas
Leituras sem  discernimentos...
Acolho-te, como Musa guardiã... Fonte, no estiar das estações
Dos meus sentimentos...
E na clareza dos versos, nas prosas, nos teus sinais de pingos,
 E vírgulas de vida... Tu minha Musa inspiradora! Dos mágicos
Sentidos da escrita... Inspira-me no vazio, das estações estéreis
Da triste, e rubra despedida...Bybetonicou