Páginas

curvas, retas e esquinas

sábado, 11 de fevereiro de 2012

Curumim...© Copyright



Ah! - curumins, filhos das matas brasileiras, das terras
De céu azul anil.
Sorrisos largos, rostos de marcas vermelhas de pau Brasil
Brotos da terra fértil, a natureza sorriu!
Ao ver nascerem meninos, nas lindas selvas, o que e’ belo floriu.
Corram pelas trilhas das matas, brinquem com os sagüins...
Enfeitem – se com as penas das araras, imitem o canto dos
Bem- te- vis.
Caçam já, desde crianças, montam nos lombos das pacas.
Jovens guerreiros perpetuam a nobreza, e a pureza dos homens
Das matas.
Curumins, o assanhaço assanhado lhes viu , caçando e brincando
Com os jacamins... Sob as arvores centenárias, brincam o tempo
Inteiro, se divertem com os guaxinins.
Espalham-se pelas matas, e pelas selvas, correm como vento
Ligeiro...
Desbravam  o verde mar das matas, vivem-na por inteiro.
Acima troncos, das arvores floris, brincam com os saimiris...
Mergulham nas Cristalinas águas, dos jardins brasis... Bóiam
Nos cascos dos jabutis.
Inocência sagrada, de grandiosas purezas... Andam descalços
Pelas matas, com seus pés de asas ligeiras...
Alegria simples, da inocência primária juvenil... curumim
Representa a plena beleza, das matas de nosso imenso Brasil! By betonicou

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

Orquidea tupiniquim...© Copyright


Esfregue-se em mim flor de orquídea, tão  bonita de pétalas brancas...
Tal beleza, me fascina,  morena linda de largas ancas.
Teu sorriso de moça menina emoldurado por teus cabelos de tranças.
Cheiro doce de canela marrom, teu corpo é todo um poema! 
Podias ser chamada de Iracema,  mas guarda em si, o lindo nome de Jurema.

Sensual e alegre filha, de seres mágicos  tupi guarani... Criada nas matas, és linda
ninfa tupiniquim.
Fez-se moça, suave e serena.  Doce Jurema esfregue-se em mim!
Dispa-me,  com teus olhos dourados e brilha-me, com tua luz de brilhante...
Você, estonteante canoa enfeitada de lírios e eu,  teu tripulante...
Em tuas curvas  de canela morena, e de teu sorriso branco marfim nasce
um beijo, de teus lábios vermelhos e macios, como pétalas de rosa carmim.

Ando em  tuas trilhas e estremeço em tuas linhas e nos teus delirantes caminhos...
Teu corpo exala cheiros exuberantes! Formosa flor sem espinhos.
Os teus balançares   marcantes tornam-se  embriagantes e  faz-me sossegar,
em teus peitos  macios... E em tua pele chamejante, sou teu prazer refrescante.
Tu és  minha onda furiosa,  de mar em  movimento incessante.... 
Teus cabelos negros feito de   tranças, sem medidas cobrem, toda tua linda
nudez esculpida. Cobrem-te e  protegem-te!  Faço-me desbravador,  de tua linda 
riqueza escondida.

Percorro  teus caminhos de matas nativas e  faço minhas trilhas, em
belezas,  nunca conhecidas.
Em teu paraíso, de ninfa índia morena  escondo-me, na inocência
das terras a pouco desconhecidas...
Esfrega-me e impregna-me, com teu cheiro canela e  forte odor de amor...
Linda donzela cubra-me com teu corpo de  mulher e  faz deste momento,
contente prazer de ardor
Com tua pele,  de  veludo marrom, nos tornamos  um só momento de cor. by betonicou

terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

Filho mineiro...© Copyright



O vento que vem do azul, rasteia o chão debaixo do céu.
O ar que serpenteia entre as montanhas de minas,
Preenche os espaços vazios, e nos cobre com sagrado véu.
As trilhas do novo, e belo horizonte, que iluminam com brilhantes 
Pedras de tiaras... Brilham por todos os montes, e nos riachos,
O lindo cântico das Iaras...

Retumbam os tambores nativos, e cantam seus filhos
Os hinos, que exaltam a terra mineira. Somos frutos
Da liberdade, e o orgulho de nossa bandeira.
Somos os ventos, que serpenteiam em todo lugar... Somos
A fúria dos rios, das águas que desembocam no mar, que
Vertem do coração da nação.
Somos filhos dos montes minérios, a força que ergue o pendão.

Somos a magia das cataratas tranqüilas, que descem do corpo
Mineiro...  Somos água, vento, terra fogo,  tempero forte
Do povo brasileiro.
E nas matas, onde nascem o liquido da vida, vertem
Riquezas materiais... Somos montes, rios, a força dos ventos,
Mas somos também, a calmaria das Águas termais.

Nas serras, onde vislumbramos as montanhas, rios, campos,
Vilarejos, arraiais... Somos filhos mineiros, na majestosa terra,
Dos minerais...
Sou teu filho, em teu leito vivo, e repouso... Gloriosa mãe,
 Minas Gerais. By betonicou