Páginas

curvas, retas e esquinas

quarta-feira, 22 de agosto de 2012

Ternura, ternura...© Copyright


Quero um amor fácil, delicado, sem farpas e sem o peso da paixão...
Não encontrando farei companhia, a quem deveras me ama e não
nunca deixa  eu estar só; a solidão..
Quero a companhia singela que se quebra, diante da rudeza...
Quero este amor de muralhas que não se quebra nas incertezas...
Quero um amor tranqüilo, daqueles que adormecem os sentidos...
Um amor de jardim de céu  que floresce os corações partidos...
Quero da vida a pureza do cheiro de jasmim... Quero o silencio
Do amor sóbrio sobre mim... O amor não se ilude, não explode
em gritos... O amor não e’ paixão, esse pobre desejo dos afritos..                                                Quero a ternura de um beijo, um choque de emoções sem medos.
Quero o eterno e puro desejo, de gostar sem segredos...
Quero a doçura do mel que nasce da flor... Este amor sem as causas
que levam ao amargor... Quero um fruto macio, de sabor terno,
Delicado e  sem rancor... O amor, sempre encanta em gestos suaves,
Ternos, e límpidos... Quero a nostalgia singela, sem o silencio dos sigilos...
Pois no amor, tudo e’ às claras, sem receios, sem sentimentos fingidos...
Quero o amor das brisas, de alentos... Enganar  a vida  que e’ assim, feito
Cata-ventos... Entregue aos ares e a mercê dos ventos...
Quero um amor que ampare e amoleça os duros momentos...
Quero um amor que sare as feridas dos desapontamentos... Bybetonicou

Um comentário:

  1. Ameiiiiiii!
    quero um amor que sare as feridas dos desapontamentos!
    beijo

    ResponderExcluir

people of the world comment if to like… important for the development of this work…