Páginas

curvas, retas e esquinas

quinta-feira, 6 de outubro de 2011

Olhares de ternura...© Copyright


E as pálpebras, se abriram para o infinito... A luz se mostrou!
Meus olhos, e teus olhos se viram...
Os ventos, que de você trouxeram o aroma do teu cheiro,
Rebrilharam as minhas pupilas de ternura, e de meus secretos
Desejos... De meus dedos Trêmulos de anseios, fluíram a escrita...
Do pincel, a doce alma do artista, retrata na pintura, a tua
 Beleza... Tal esplêndida formosura, para mim abstrata...

Na caída da chuva, no néctar, em meio às gotículas de mel,
Vejo a tua face rubra pela Estrela dourada... E a trilha sonora dos
Ventos sussurram palavras melódicas, de versos adocicados,
Em uma rapsódia plena, de sentimentos molhados, e almiscarados
Pela s águas esvaídas do céu... Nossos prazeres dançam o canto
Dos trovões...  Teus olhos de espelhos verdes turmalina, refletem
Os segredos do nosso universo, em total desatino...

Meu beijo com o Teu beijo, minha face com a tua face... O vermelho
Quente de pura, e singela vergonha... A alegria de lagrimas celeste, que
Banham nossas faces acanhadas... No fechar dos olhos, pelo teu brilho,
Ofuscante, agora reabertos, e rebrilhados... Vislumbro tua terna figura,
Em banho de sonhos molhados... Que do teu céu de deusa, se esvaem
Em véu de grinalda... Sobre os teus ombros macios delicados, se jogam,
Em queda de cachoeira de gotas brilhantes...

Das águas de teus olhos molhados, no respingar dos teus veios,
 E teus gestos de versos, ressaltam a pintura dos sentimentos ternos...
Que deste céu orvalhado, se derramam em lindas partículas
Borbulhantes de Ternura...
E os ventos, terminam a sinfonia na calmaria dos Tons, de harmonia...
E os céus se abrem, com seus raios de ouro colorados, emoldurando
Teu rosto de ninfa pura... Anunciando em cânticos celestes, o terno, e eterno...
Momento, que para sempre será relembrado, nas Partituras de nossos corações.

E os olhos do céu se abriram, E mostraram total fulgor! O resplendor da
Trilha dos meus olhos; Rumo aos teus olhos...
Um encontro da nossa eterna essência, do nosso eterno eu...
 By betonicou