Páginas

curvas, retas e esquinas

quinta-feira, 1 de setembro de 2011

Passagens do infinito...© Copyright( Ao meu pai)

Os ventos levam, e trazem a saudade...

 

Os ventos que vieram, se foram e retornaram...
O sol em todos os seus dias dorme, e acorda em
Seu esplendente fulgor...
A saudade vem e se incrustou em minha alma...
As lembranças me trazem a calma... Relembro de
Teus cabelos grisalhos e teus conselhos, que
Amenizam a lida e ainda lapidam meus sonhos...
E a tua voz acompanha, os meus caminhos de vida...

O gorjeio de suas lembranças

A saudade que aperta o peito, o teu carinho na minha alma encerra
A dura lei da natureza do tempo e o fechar dos portões alegres,
Dos suaves sorrisos, que sempre me dera...
A chuva cai em desespero de sua partida e nosso universo
Chora as lagrimas de tua triste ida  para o mundo longínquo...
Os prantos, e cantos, se misturam em grande sinfonia de pássaros...
Que para ti entoam, os lindos tons com seus bicos de pífaros...

O retorno, aos jardins

E novamente o renascer do sol, como pássaro de fogo... Que renasce das
Cinzas em estupendo esplendor!Vida, agora nos braços de quem
Para sempre ama em toda exuberância, do universo indolor.
Agora, nos infinitos paradisíacos jardins... Resides sereno, e tranqüilo,
Com o pai amado que a todos ama. Ainda podemos bem perto senti-lo...
A lua suave e serena, nos abraça e nos consola... Uma mãe de
Ternura, e desvelo... No afago meigo aconchegante, em total carinho
Brinda-nos, no conforto de angelical melodia, de chamego e zelo...
Vindos do todo benevolente, diante de nossa tão frágil existência...
Em tua ausência Pai, as mãos de Deus nos abrandam, na calmaria serena...
Uma constante presença de amor e paz, nesta vida ainda terrena...

Um novo dia, um novo amanhã...


O amanhã nos brinda com nova paz, e reluz em luz divina...
A tua voz, nos ventos ouvimos todo atento... O gorjear dos pássaros,
Para sempre inesquecível!  Do teu rosto ali calmo, um semblante,
Todo sereno... Na Paz e na serenidade, me contento.
Os ventos que trazem a saudade levem a ti, também, o meu sorriso...
Vou devolvê-lo um dia, nos jardins, em sorrisos cintilantes de brilho...
No reencontro de entes amados, no infinito sempre querido,                                                                   um novo amanha, que nos céus haverá de vir...
Confortar-nos, em um novo, e eterno porvir...
Saudades meu velho, pai amado... Companheiro perdido...
Alegria, que ainda haverei de ver e sentir... Atua voz e as lembranças,
Serão sempre, em mim encontrados... E para sempre.
Serão jóias, tesouros, no meu peito incrustados.
 By betonicou