Páginas

curvas, retas e esquinas

sábado, 2 de abril de 2011

Saudade © Copyright



Procuro-te por entre as estrelas.  No escuro vazio procuro tua luz . A imensidão amedronta e  Minha alma solta um grito! Como ver em meu limite humano?

Em um repentino espanto vasculho toda a grandeza que encontro, até onde vai meu olhar, em completo desatino... Como em um lampejo de sonho, toda a beleza contida na imensidão escondida.O sol radiante tenta,  em vão esconder tua luz que tão distinta brilha,  em singular cintilante... sua presença o ofusca,  em uma fagulha calma, perene, em terno momento constante.
As estrelas pulsam radiantes, mas não tão forte,  quanto meu coração teima em pulsar.... e neste imenso vazio te vejo, te desejo e teu olhar torna, a  afastar-se em tempos distantes.
É a solidão que sufoca o peito, o afoga em imensa saudade... Vislumbro a imensidão do mar que em um azul profundo, me limita notar  escondendo o que busco e almejo buscar em teimosa ansiedade.  Agito as águas profundas e tu ainda tão longe, de qualquer e tocável  realidade.
Onde mirar ?! Nas profundezas do mar, em  sua escura  beleza? Estarás escondida,  entres os corais, em abismos,  ou em minhas vãs e tolas  incertezas?Em repentino retorno à minha realidade percebo que  despertei-me   de um sonho.  A realidade tanto  me intriga e  tua falta, tanto fatiga que até me vejo a a mergulhar,  nesse constante divagar, de  um andar tão tristonho. 

Entre corais e verdeais,  entre anseios intensos procuro.  Por entre os caminhos te busco, por entre as flores remexo. Ainda que não possam conter tamanha beleza, mas de procurar, insistente, nunca deixo.... Onde estará você?  Você e’ o anseio que quero e meu sentimento profundo... Minha joia perdida, por onde andas?!   A saudade aperta e  nas lembranças me afago, mas ao mesmo tempo, me conforto na joia que trago.... pois tenho, comigo guardado  no peito a tua lembrança  e ainda retenho nos lábios,  a doçura de mel do teu beijo roubado.

           by betonicou

domingo, 27 de março de 2011

Tiquetaque .© Copyright


TIQUETAQUE, TAQUETAQUE   ouço o som de um velho relógio. Dia  após dia, na parede ou em  algum  lugar  escuro  existe um som.;  um velho tiquetaque. Ouço o gemido mórbido, de um velho relógio, dia após dia,  mal cadenciado e  pulsando,  em um breve pulsar de vida.  As engrenagens vão se roçando tentando alcançar harmonia ... Trabalho lento , quase letargia ... É a triste lida, de um velho e teimoso relógio que ainda, em um ultimo suspiro de vida   teima em trabalhar... teima em  servir... Tiquetaque, tiquetaque...  
         by betonicou